Quinta-feira, 15 de Março de 2012

"Ruiva", a baleia demoníaca do Hvalfjördur

 

 O Hvalfjörður (fiorde da baleia)

 

Os Contos populares islandeses são um imaginário riquíssimo, de estórias mágicas povoadas por elfos, trolls, fantasmas e espíritos de uma fantástica diversidade.

Numa "postagem" anterior falei sobre a relação dos islandeses com os elfos, introduzindo o imaginário mitológico das crenças populares islandesas. Hoje vou "narrar-vos" um dos contos populares com que brindo os clientes, sempre que depois de sair de Reykjavík, atravesso o túnel que passa por baixo do Hvalfjörður. Este túnel é hoje a porta de entrada para a denominada costa oeste (west coast) islandesa.

 

Contextualização histórico-geográfica

 

A estória tem lugar no fiorde Hvalfjörður. Com a abertura do túnel em 1998, a estrada nº1 - "ring road", que circunda a ilha, atravessa por baixo o fiorde. Mas antes, era necessário percorrer a estrada nº 47, que contorna e leva os visitantes aos lugares mencionados no conto.

Hvalfjörður significa "fiorde da baleia". Tem cerca de 30 km de extensão, 4-5 km de largura e 80 m de profundidade máxima. No final do fiorde as montanhas são íngremes, quase até à agua e ramifica-se em 2 partes: Brynjudalsvogur e Botnsvogur. O fiorde é assim secundado por montanhas esplêndidas: Byrill e Reynivallasháls no sul, múlafjall, Hvalfell (montanha da baleia) e Botnssúlur a norte. Para lá das montanhas, a leste do fiorde, fica o Hvalvatn (lago da baleia), com cerca de 160 m de profundidade. O rio Botnsá desliza desde o lago formando a cascata de Glymur, a mais alta da Islândia com 198 m de altura. A origem do nome do lago, da montanha e do fiorde é explicado pelo conto.

 

 O Hvalfjörður no Verão

 

O Conto

 

Era uma vez...

Alguns homens de Suðurnes na península de Reykjanes foram até Geirfuglasker * para apanhar Great Auk Skerries. Na hora do regresso um dos homens ficou perdido e voltaram sem ele, acreditando que tinha morrido.
um ano mais tarde os mesmos homens regressaram até Geirfuglasker e encontraram o companheiro desaparecido vivo. Segundo a lenda, os elfos tinham lançado um feitiço, apanhando e abrigando-o durante essa temporada. Mas ele não estava satisfeito com os elfos e decidiu regressar com os restantes companheiros. Constou que ele, nesse entretanto, tinha engravidado uma mulher elfo que o fez prometer baptizar a criança se um dia ela a levasse até ele, junto de uma igreja.

Uns anos mais tarde, houve uma missa na igreja de Hvalsnes e um berço apareceu à porta da igreja com a seguinte nota: "O homem que for o pai deste bébé deverá certificar-se que ele é baptizado". As pessoas ficaram atónitas e o padre suspeitou que o bebé pertenceria ao homem que passou um ano em Geirfuglasker. O padre pressionou o homem a admitir ser o pai mas este negou. Nesse momento apareceu uma mulher muito alta, luminosa e entroncada. Ela virou-se para o homem e disse: " vou lançar um feitiço e vais transformar-te na mais temível das baleias do oceano e afundar muitos navios". Depois apanhou o berço e desapareceu sem deixar qualquer rasto. todas as pessoas assumiram ser a mulher elfo de Geirfuglasker, onde o homemtinha passado um ano. logo após o desaparecimento da mulher o homem começou a contorcer-se como se tivesse enlouquecido e desatou a correr aos saltos em direcção ao mar. Quando lá chegou saltou de um penhasco denominado de Hólmsberg, situado entre Keflavík e Leira, transformando-se instantaneamente na pior e na mais diabólica das baleias. Foi baptizada de "Ruiva", por causa de um chapéu vermelho que o homem levava colocado na cabeça, quando se atirou ao mar. A baleia tornou-se um flagelo e reza a lenda que afundou mais de 19 navios entre Seltjarnarnes e Akranes.

Com o passar do tempo, a baleia passou a abrigar-se num fiorde entre Kjalarnes e Akranes e assim nasceu o nome de Hvalfjörður (fiorde da baleia). Nessa altura, vivia um padre em Saurbær, nas redondezas do fiorde. Esse padre, de poderes sobrenaturais, era velho e cego e tinha três filhos. 2 rapazes e uma rapariga. Às vezes, os seus filhos iam pescar no mar, à saída do fiorde e um dia foram apanhados pela baleia assassina, tendo morrido afogados. O padre sofreu uma dor profunda com a morte dos filhos e pediu à filha que o guiasse até às aguas do fiorde, que próximo da quinta de Saubær, onde moravam. Levou com ele uma pau de madeira e percorreu o caminho com a ajuda da filha. Lá chegados, espetou o pau no chão, dentro da agua e regressou para trás. Nessa altura, perguntou à filha como estava o mar. Ela respondeu que parecia um espelho de agua, calmo e sereno. Passado mais uns minutos o pastor volta a fazer a mesma pergunta à filha e ela respondeu que estava a ver uma grande sombra negra a emergir até à tona da agua como se fosse um enorme peixe. Quando a filha disse que essa enorme sombra negra tinha vindo ao encontro deles, o padre pediu que o levasse terra adentro percorrendo a linha da costa do fiorde. A sombra negra acompanhou-os o tempo todo, até ao fim do fiorde. Consoante o fiorde ia ficando mais estreito e a agua menos profunda a menina reparou que a sombra tinha a forma de uma enorme baleia que nadava ao longo do fiorde como se estivesse sendo guiada. ao chegarem ao fim do fiorde, onde desemboca o rio Botnsá o padre disse à filha que o conduzisse para a margem oeste do rio. Lá chegados, o velho padre começou a escalar a montanha acompanhado da baleia, que dava difíceis saltos na agua, para acompanhar o velho padre. O curso de agua era pequeno e a baleia enorme. Quando chegaram à garganta onde a cascata deixa cair as suas aguas vindas do topo da montanha, o espaço era tão ínfimo para o cetáceo que este começou a abanar e a debater-se com forca para subir o curso de agua. Quando finalmente subiram a cascata, tudo à volta começou a estremecer como se fosse um grande tremor de terra. Das rochas saiu um grande troar, como se de uma trovoada se tratasse. Daí o nome da cascata - Glymur (rugido/troar) e as encostas que circundam a cascata são conhecidas como Skálfandahæðir (encostas que tremem/estremecem). Mas o padre estava decidido e não parou até levar a a baleia até ao lago de onde o rio Botnsá nascia e que desde então é denominado de Hvalvatn (lago da baleia). uma das encostas do lago tem também o nome de Hvalfell (encosta da baleia). É que quando a "Ruiva" entrou no lago, fê-lo através desta colina.

Quando o velho padre regressou à Quinta com a sua filha todos os habitantes da região e regiões adjacentes ficaram eternamente agradecidos.

Nunca mais ninguém via "Ruiva" a baleia demoníaca, mas foram encontrados recentemente uns impressionantes ossos de baleia no lago, comprovando e reforçando a veracidade desta lenda.

 

* Geirfuglasker era um ilhéu ou um conjunto de rochas solitárias, localizadas a sul do arquipélago de Vestmannaeyjar. e que desapareceu no mar devido a uma erupção vulcânica marinha em 1830. O nome traduzido significa Great Auk Skerrie (Pinguinus impennis). uma ave marinha mítica na Islândia, que se acredita extinta e da família dos pinguins.

 

publicado por Ivo Gabriel - Iceland Views às 09:46
link do post | comentar | favorito
|

.counter (início 26-4-08)

Blog Counter by Branica
Branica Counters

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

.mais sobre mim

.links

.posts recentes

. Dia Nacional da Islândia ...

. A serpente do Lagarfljót

. Dettifoss - a mais podero...

. Cod Wars: As guerras do b...

. Na Islândia também não ex...

. Ekki Múk - O regresso dos...

. A "Saga" do Great Auk Ske...

. "Ruiva", a baleia demonía...

. Pequenos momentos com cli...

. Formação Geológica da Isl...

. Eyjafjallajökull - Erupçã...

. De Thule a Iceland – Hist...

. Solitude…

. Conhecendo Siglufjördur –...

. Projecto Takk_Iceland09

. O colapso económico e out...

. Neve em Portugal?

. Os melhores discos island...

. Húsavík - da pesca à obse...

. Eyjafjördur - entre o bra...

. Surtsey - A ilha vulcão e...

. A neve. Pela janela do qu...

. Jeff quem?

. O regresso...

. Atrás do sol da meia-noit...

. Considerações sobre a Isl...

. Resposta a um email: Skaf...

. Bang Gang: Indie guitar P...

. Islândia vs Brasil (parte...

. Islândia vs Brasil ou Ein...

. Mývatn – Um vídeo, um ret...

. A cor púrpura...

. Entre fiordes: Do Eyjafjö...

. A Islândia na TV Globo

. Na senda de Nonni, Jón Sv...

. Björk Guðmundsdóttir: ret...

. Antecipando o Post sobre ...

. o pequeno arquipélago de ...

. Dísa - Uma voz, um achado...

. As Páginas Amarelas Islan...

. Vatnajökull (the sound of...

. Aldrei fór ég Sudur - O m...

. O futuro da economia isla...

. O coro vocal feminino EMB...

. A sexualidade na Islândia...

. Viajando pela Islândia co...

. Aurora boreal - A minha p...

. Área de Ski de Hlídarfjal...

. Os elfos e a mitologia nó...

. President Bongo dos GUS G...

.arquivos

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Abril 2010

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. akureyri(6)

. ambiente(5)

. arte e cultura(7)

. curiosidades(6)

. economia(2)

. fenómenos da natureza(15)

. geologia(1)

. história e cultura(8)

. impressões(9)

. introdução(2)

. islândia(7)

. mitos e lendas(3)

. música(15)

. política(4)

. sexualidade(1)

. sociedade(4)

. tecnologia(1)

. viagens(11)

. vídeo(34)

. todas as tags

.counter (início 26-4-08)

Blog Counter by Branica
Branica Counters
blogs SAPO

.subscrever feeds